JUSTIÇA

Justiça inicia julgamento de PMs acusados de matar menina de 9 anos em abordagem

G1   10/04/2018

Audiência será realizada nesta terça-feira (10), no Fórum Criminal de Teresina. Os pais de Emily, as testemunhas de acusação e as de defesa serão ouvidos.

Arquivo pessoal

clique para ver a foto em tamanho real

Menina Emilly Caetano morreu durante abordagem policial

 

A Justiça marcou para esta terça-feira (10) os depoimentos dos dois policiais acusados de matar a menina Emilly Caetano, durante uma abordagem na Zona Leste de Teresina. Esta audiência é a primeira fase de instrução, na qual será definida se os militares vão a júri popular.

Os dois policiais militares serão ouvidos nesta terça-feira (10) no Fórum Criminal de Teresina. Além deles, a justiça vai ouvir os pais de Emily, as testemunhas de acusação e as de defesa.

Emilly foi assassinada com dois tiros nas costas durante uma abordagem de policiais do 5º Batalhão da Polícia Militar na noite de Natal. Os pais da menina também foram atingidos, mas sobreviveram. O pai perdeu a audição de um dos ouvidos. A garota chegou a ser socorrida e encaminhada ao Hospital de Urgência de Teresina (HUT), mas não resistiu aos ferimentos. Depois de efetuar os disparos, os policiais recolheram as cápsulas de bala, tentando modificar a cena do crime.

"Todo crime doloso contra a vida, a exemplo do homicídio da Emily, é de competência do Tribunal Popular do Júri. O procedimento é dividido em duas fases. A primeira fase feita por um juiz singular serve para verificar se as pessoas que estão sendo acusadas têm indícios de autoria, que as conectam às práticas dos fatos. Confirmado isso, o juiz submete os acusados à segunda fase, em que eles serão julgados pelo plenário", explicou o advogado da família, João Marcos Parente.

Segundo advogado, o exame de microcomparação balística comprova que todos os disparos foram praticados pelo soldado Aldo Barbosa Dornel. Contudo, a primeira audiência irá verificar se o cabo Francisco Venício Alves também teria participado ou não do crime.

O soldado Aldo, apontado como autor dos tiros que mataram Emily, continua preso, ele foi denunciado por homicídio qualificado, tentativa de homicídio e fraude processual, por ter reconhecido as cápsulas. Já o cabo Francisco Vinícius está em liberdade e vai responder apenas pelo crime de fraude processual.

 

© 2010 Jornalista 292— Todos os direitos reservados.