ARTIGO

Entre o bom senso e a loucura

Ricardo Noblat   06/04/2018

Lula tem mais é que se entregar

 

Lula foi dormir nesta madrugada em seu apartamento de São Bernardo do Campo rouco de tanto ouvir conselhos de militantes do PT sobre como se comportar diante da ordem de prisão assinada pelo juiz Sérgio Moro.

O senador Humberto Costa (PT-PE) não foi o único a pregar a resistência. A Lula e, depois, à plateia reunida no Sindicato dos Metalúrgicos, Costa disse coisas do tipo:

– Amanhã, vamos resistir… Que eles venham, que tenham coragem… Até agora o que esse juiz tem mostrado é covardia, politização… Vamos nos manifestar nos estados e pressionar o Supremo Tribunal Federal.

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) foi na mesma linha e chegou a propor um “cordão humano” para evitar que a Polícia Federal entre na sede do sindicato à procura de Lula,

– Vamos formar um cordão humano. Se eles quiserem, eles vão ter que vir aqui, como vieram na ditadura militar, para prender o ex-presidente – disse o senador.

Resistir, como? De armas nas mãos? Com a ajuda do “Exército Vermelho” do Movimento dos Sem Terra (MST) liderado pelo companheiro João Stédile? Em desrespeito escandaloso a uma ordem judicial?

Para quem passou a dizer recentemente que respeita a Justiça e confia nela, tem mais é de acatar suas ordens.

O ex-ministro José Paulo Sepúlveda, um dos advogados de Lula, recomendou-lhe que se entregue. É o que deverá acontecer.

Se nada, para não perder os privilégios oferecidos por Moro – cela exclusiva, de 15 metros de cumprimento, sem grades, com cama, mesa, cadeira e banheiro só para ele.

 

© 2010 Jornalista 292— Todos os direitos reservados.