ARTIGO

Sucessão de erros resultou em tragédia

Zózimo Tavares   12/01/2018

Eita Piauí que não toma jeito!

 

Nem o cinema seria capaz de produzir um roteiro tão grotesco quanto este do Caso Emyle. A menina, de 9 anos, tão cheia de vida e alegria, foi assassinada menos de 24 horas depois de celebrar com a família a chegada do Natal.

Sua vida, ainda no começo, foi tirada à bala, durante uma desastrosa abordagem policial ao carro em que andava com a família – o pai, a mãe e duas irmãzinhas.

No curso das investigações, descobriu-se que o policial acusado dos disparos que acertaram fatalmente Emyle estava vestindo a farda da polícia, usando a arma e a viatura da corporação e recebendo salário do Estado ilegalmente.

O soldado Dornel, o acusado de atirar na menina, ingressou na Polícia Militar em 2010 com uma liminar da justiça em mãos, após ter sido reprovado no teste psicológico do concurso. A decisão a seu favor saiu no dia 15 de junho de 2010.

A Procuradoria Geral do Estado recorreu. Em nova decisão, de 6 de setembro de 2016, a Justiça derrubou a liminar. Mas o soldado continuou na PM, pois a polícia não foi notificada na decisão.

O Tribunal de Justiça alegou, por sua vez, que a sentença fora publicada no Diário Oficial da Justiça, um documento público a que todos podem ter acesso, especialmente a Procuradoria Geral do Estado, esta por dever de ofício.

O resumo da ópera: houve um erro atrás do outro, por omissão ou negligência funcional, até a tragédia que se abateu contra Emyle e a família dela.

Expulsão

Somente ontem, diante da ampla e negativa repercussão do fato, o governador Wellington Dias assinou o decreto expulsando o soldado da PM. Foi preciso uma tragédia para o Estado fazer o que já deveria ter feito há muito tempo, sem muito esforço.

Mesmo assim, e apesar de não acompanhar com a devida atenção o processo do soldado que vestiu a sua farda indevidamente e usou a sua arma para cometer crime, a Polícia Militar ainda queria tomar para si a investigação do assassinato da menina.

Eita Piauí que não toma jeito!

 

© 2010 Jornalista 292— Todos os direitos reservados.