PIAUÍ

Desde janeiro, DPCA registrou mais de 40 estupros de vulnerável no Piauí

G1   18/05/2017

"População precisa estar alerta ao problema, que é preocupante", diz conselheiro tutelar.

Ellyo Teixeira/ G1

clique para ver a foto em tamanho real

Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente de Teresina (DPCA)

 

De janeiro ao início de maio, a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) registrou 44 casos de estupro de vulnerável, ou seja, as vítimas têm de 0 a 14 anos incompletos. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (17), véspera do Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Ainda de acordo com os dados, ocorreram nove estupros, onde as vítimas têm de 14 a 18 anos, além de cinco casos de atos libidinosos, ou seja, é todo ato de satisfação da libido, de satisfação do desejo ou apetite sexual do agressor, e um aliciamento.

De acordo com o conselheiro tutelar Djan Moreira, a população precisa estar alerta ao problema, que é preocupante. “Temos de participar das ações direcionadas a esse grave problema, mobilizando os vários setores da sociedade e proteger nossas crianças e adolescentes vítimas de violência sexual. É um problema grave, que precisa ser enfrentado de forma sistemática, trazendo maior visibilidade”, comentou.

Ainda segundo o conselheiro, o número de casos significa que as vítimas estão tendo mais coragem em denunciar, porém o que preocupa é que a maioria ainda teme acionar as autoridades. “Em muitos casos a vítima se omite, com medo, com vergonha. A investigação do estupro é muito dolorosa e complicada já que na maioria das vezes não há testemunhas. O que nos preocupa é a grande quantidade de vítimas que não denuncia. além de familiares que são coniventes com o que ocorre”, relatou.

 

© 2010 Jornalista 292— Todos os direitos reservados.