Publicidade  - mara7

Política

Julgamento de Assis Carvalho no TRF1 já tem data marcada para ser retomado

180 graus   05/02/2018

Divulgação

clique para ver a foto em tamanho real

Assis Carvalho

Decisão emanada pelo TRF1 pode lançar petista no rol dos fichas sujas, impedindo-o de sair candidato nas eleições de 2018

 

O julgamento do recurso de apelação do deputado federal Assis Carvalho (PT) perante o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) será retomado próximo dia 20 de fevereiro. No caso em que recorreu à corte, o petista é acusado de “fabricar” licitações e trata sobre improbidade administrativa, motivado por danos ao erário.

O parlamentar já foi condenado em primeira instância pela Justiça Federal à suspensão dos direitos políticos por cinco anos e ao pagamento de multa no valor de R$ 250 mil, sob a suspeita de dispensar licitação por falsa emergência e favorecimento de empresa que concorria nos certames realizados pela Secretária de Saúde do Piauí.

Entre os culpados está a então diretora administrativa da pasta, Jeanne Ribeiro de Sousa, condenada, em primeira instância, ao pagamento de multa de R$ 100 mil; além da Funace, também condenada ao pagamento de multa de R$ 100 mil e proibida de contratar com o serviço público por cinco anos.

Os contratos supostamente irregulares celebrados entra a Secretaria de Saúde e a Funace correspondiam a R$ 2.686.993,83, dos quais R$ 360.093,60 seriam recursos do SUS.

Porém, conforme planilha levantada pela equipe de auditores do DENASUS, além desse valor, foi empenhado irregularmente o valor de R$ 517.088, totalizando, portanto, R$ 877.182,54 de verbas advindas do SUS para uma licitação com "emergência fabricada".

A sentença em primeira instância foi proferida pelo juiz federal Adonias Ribeiro de Carvalho. “Conforme ficou evidenciado nos autos, notadamente diante da nota técnica do DENASUS, corroborada pelo depoimento das testemunhas envolvidas na fiscalização/auditagem, quais sejam, Elizabeth Boero de José Rodrigues da Silva, a dispensa de licitação para contratação da FUNACE se deu após regular prazo de vencimento do contrato sem prorrogação", destacou o magistrado.

Em sua decisão, Carvalho sustentou que "nada obstante a alegação dos réus Assis Carvalho e Jeanne Ribeiro no sentido de que a dispensa de licitação para a contratação da FUNACE se deu de forma emergencial, o fato é que não cabe ao gestor 'criar' hipóteses de dispensa que a Lei não criou".

"É dizer: se o gestor entende, em sua discricionariedade, que a legislação acerca de contratos e licitações é sobremaneira 'burocrática' ou lenta, a via de mudança não é uma interpretação enviesada da lei, mas, sim, sua eventual mudança por meio dos processos democráticos de alteração da Lei: no Parlamento", pontuou.

O DURO VOTO DA RELATORA NO TRF1

O julgamento do recurso de apelação de Assis Carvalho iniciou em 7 de novembro de 2017, com o voto da relatora do caso, a juíza convocada Rogéria Maria Castro Debelli. A magistrada manteve o teor da sentença imposta pelo juiz singular Adonias Ribeiro de Carvalho de Neto. O caso está na Terceira Turma do TRF da 1ª Região e estava suspenso por conta de um pedido de vistas.

Debelli é dura em seu voto e afirma taxativamente que durante a gestão do deputado federal Assis Carvalho, enquanto secretário da Saúde, “houve quebra de confiança em relação ao cargo que ele ocupava e à instituição” e que “a confiança é necessária para a manutenção do vínculo” do agente com o poder público.

Ao acatar na íntegra o voto do juiz Adonias Neto, a juíza sustentou ainda que houve a tentativa de “criar hipóteses de dispensa de licitação que não restou contemplada em lei”.

“Ademais, caso o argumento do apelante Francisco fosse acolhido, no sentido de que tinha pouco tempo no cargo e não detinha pleno conhecimento dos fatos nessa época, tal argumento só poderia ser levado em consideração na primeira contratação. Não é o que se verifica em face das três prorrogações de contratos vultosos com uma empresa recém-criada [a FUNACE], não cabendo imputar culpa à Secretaria de Administração pela não realização da licitação”, sentenciou a magistrada.

PEDIDO DE VISTA

Na sessão de julgamento do recurso, o desembargador Ney Bello pediu vistas do processo, uma vez que havia feito uma "confusão" com itens diferentes da pauta de julgamento daquele dia, como também é possível se extrair do áudio divulgado pelo 180, obtido pelo Blog Bastidores.

VEJA A ÍNTEGRA DE TRECHO DO VOTO DA JUÍZA RELATORA NO TRF1

(...) buscando criar hipóteses de dispensa de licitação que não restou contemplada em lei. Ademais, caso o argumento do apelante Francisco fosse acolhido, no sentido de que tinha pouco tempo no cargo e não detinha pleno conhecimento dos fatos nessa época, tal argumento só poderia ser levado em consideração na primeira contratação. Não é o que se verifica em face das três prorrogações de contratos vultosos com uma empresa recém-criada, não cabendo imputar culpa à Secretaria de Administração pela não realização da licitação. Concluo no sentido da existência do elemento subjetivo e da razoabilidade da sanções aplicadas (...) ao Francisco de Assis Carvalho. Suspensão de direito políticos pelo prazo de cinco anos, perda da função pública atualmente ocupada e multa civil no valor de R$ 250 mil. A Jeanne  deve ser condenada em multa civil no valor de R$ 100,00. Não é caso de aplicação da perda da função, suspensão dos direitos políticos e contratação com o poder público. Por fim, a Funace foi condenada na sanção de multa civil no valor de R$ 100 mil, proibição de contratar com o poder público ou receber incentivos fiscais, ou creditícios pelo prazo de cinco anos. E justifico a razoabilidade dessas sanções porque a multa civil tem um caráter punitivo que se soma ao ato condenatório com a finalidade de sancionar o agente que praticou o ato de improbidade. Na ação de improbidade administrativa, a multa tem como objetivo coibir atos atentatórios aos princípios da moralidade ou probidade, voltando-se a punir o agente, além de ostentar forma de intimidação com relação aos demais integrantes da sociedade. Faço citação doutrinária a esse respeito. E por entender também que o ato, ele tem uma lesividade significativa, a proposta de voto é no sentido da manutenção da perda da função pública em relação ao Francisco, porque houve uma quebra de confiança em relação ao cargo que ele ocupava e à instituição. (...) A confiança é necessária para manutenção do vínculo. Também a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos só se efetivarão com o trânsito em julgado da sentença condenatória. E concluo que a sentença não merece reparo e, portanto, o voto é no sentido de negar provimento aos recursos de apelação (...).

SOBRE A DECISÃO DO JUIZ SINGULAR

NOTÓRIO TRECHO DO VOTO DO JUIZ ADONIAS NETO

"É dizer: se o gestor entende, em sua discricionariedade, que a legislação acerca de contratos e licitações é sobremaneira 'burocrática' ou lenta, a via de mudança não é uma interpretação enviesada da lei, mas, sim, sua eventual mudança por meio dos processos democráticos de alteração da Lei: no Parlamento", pontuou.

Comentar Enviar por e-mail Imprimir

Comentários:

Não há comentários para a matéria no momento.

Envie um comentário para a matéria.
Origem da mensagem: 54.92.197.82









Visual CAPTCHA


O JORNALISTA 292 não se responsabiliza pelas mensagens postadas como comentário das notícias, sendo estas de sua inteira responsabilidade, podendo, quando julgar algum comentário inadequado, inativá-lo ou excluí-lo de sua base de dados. Salvo confirmação de seus dados informados.

Mais Notícias:

:: Professores do Estado deliberam sobre greve geral no Piauí

:: Bancários suspendem serviços e fazem atos em agências nesta segunda (19)

:: Estudante de 17 anos morre ao sofrer descarga elétrica em celular

:: Servidores Municipais de Picos protestam na sessão de abertura da Câmara de Vereadores

:: PM decide por expulsão de capitão acusado de matar namorada em Teresina

:: Líder de seita é investigada por trabalho escravo e exploração sexual de menores

:: Festa de Formatura

:: “Carnaval em Todo Canto”: Prefeitura de Teresina divulga programação dos bailes e blocos

:: MPPI recomenda que prefeituras em atraso com pagamento de servidores não apliquem recursos públicos em festas carnavalescas

:: Prefeitura de União planeja fechar quase metade das escolas da cidade

:: Bandidos dopam filhote de cachorro para invadir loja

:: ONG classifica deputado federal Assis Carvalho como pior político do Piauí

:: Solto por bom comportamento o ex-tenente do Exército que matou Iarla Barbosa

:: Cerca de R$ 600 mil já foram levados dos bancos em assaltos no Piauí em 2018

:: Julgamento de Assis Carvalho no TRF1 já tem data marcada para ser retomado

+ Política

PROTESTO

Servidores Municipais de Picos protestam na sessão de abertura da Câmara de Vereadores

09.02.2018

No momento da leitura da mensagem, os Servidores ergueram seus cartazes com frases de efeitos reafirmando a greve e criticando a prática do Prefeito de atrasar os salários

Política

ONG classifica deputado federal Assis Carvalho como pior político do Piauí

06.02.2018

Iracema Portella e Regina Sousa também aparecem na lista entre os "piores" parlamentares

Política

Direita Picoense realiza encontro neste sábado (27)

24.01.2018

O evento espera reunir líderes de todo o Piauí e com a presença de grupos das cidades vizinhas

TCE

TCE vai fiscalizar festas de carnaval em municípios

23.01.2018

Objetivo é verificar se os municípios que declararam dificuldades financeiras irão utilizar verbas públicas com festividades de carnaval, fugindo da razoabilidade

PIAUÍ

MP ingressa com ação por ato de improbidade administrativa

17.01.2018

O membro do Ministério Público Estadual esclarece que a falta de respostas aos ofícios enviados representa violação ao disposto no artigo 37

Política

TRE afasta vereador considerado analfabeto acusado de fraudar diploma e CNH

12.01.2018

O G1 procurou o vereador, mas as ligações não foram atendidas. O parlamentar pode recorrer, mas a decisão já está valendo e um novo vereador assumiu o cargo.

Política

Aprovado projeto que obriga apenados a custearem monitoração eletrônica

12.01.2018

O rastreamento eletrônico será feito por meio de bracelete, tornozeleira ou chip inserido na pele

PICOS

Belê agradece Gil Paraibano por 500 novas casas em Picos

22.12.2017

A parlamentar se referiu ao Residencial Louzinho Monteiro, entregue nesta semana pelo prefeito Padre Walmir

Política

Candidatos poderão arrecadar verba de campanha por vaquinha virtual

21.12.2017

O plenário do TSE aprovou, nesta semana, 10 resoluções sobre as regras das eleições de 2018

Política

Belê destaca campeonato de tiro e diz que lutará por apoio ao esporte

14.12.2017

Afirmando que dentre os classificados em primeiro e segundo lugares estão o seu filho, Adir Guilherme Oliveira, e o seu esposo, Gustavo Oliveira

ESPECIAIS

Editorial

Festa de Formatura

09.02.2018

Era impressionante a luminosidade daquela festa feliz atrelada à grandiosidade do espaço

publicidade Eriberto4
MARA4 piauieletro eco Eriberto5 Alberto Lotação e Turismo4 apaas Dr Wesley6 Bio Moreno Calçados 1 Mahogany Dakota Casa do Automóvel

JORNALISTA 292

Todos os artigos publicados, neste web site, são de inteira responsabilidade de seus autores, não refletindo obrigatoriamente a opinião do J292.

Desenvolvido por: Aroldo Santos – Soluções Web.